quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Across the universe

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010
Ela não chora mais por ninguém
Mas as lágrimas não respeitam quando ela vê algo triste
Dizem que ela não demonstra afeto
Mas ela já amou tanto que o seu corpo quase explodiu
Dizem também que ela não é carinhosa
Mas ela evapora ao receber um afago
Dizem muito... Mas a verdade?
Só ela sabe como viver com tanto sentimento...


Gente, preciso agradecer por todos os comentários e mensagens de afetos (ou não) que deixaram em meu blogger este ano de 2010 que passou tão rápido. Fico muito feliz em poder compartilhar com todos vocês um pouco de mim.. um pedaço de mim!

E pra fechar 2010 com chave de ouro...
Quero indicar pra vocês um dos melhores ou o melhor musical que eu já vi até hoje..


Across The Universe

O filme não é uma biografia de uma pessoa ou dos Beatles, como alguns podem pensar.
O filme é a biografia de uma geração norte-americana.
Uma geração que durante os anos 60 conviveu com o crescimento do movimento Hippie, com os protestos por igualdade racial, liderados por Martin Luther King, e com a Guerra do Vietnã.


Assistam o trailer! Imperdível!






Feliz 2011 para TODOSSSSS!

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Rude

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010
Oque você está esperando da vida? Porque não reage?
Não espero mais nada, "tô" cansada dessa vida...
Cansada do que?! Você tem apenas 11 anos!
Mas eu não quero mais viver assim... (...)

Essas são as palavras de uma menina de 11 anos que tem uma doença de pele que desde os 6 anos de idade não se sabe como, daonde e nem o que é. Ela vive de blusas de manga comprida e calças jeans, por ter vergonha de repararem na pele dela que é uma ferida só. No colégio... Ah.. todo mundo aqui sabe como é no colégio né? Na rua? Os olhares não são evitados... A mãe dessa menina? Simplesmente a largou pra ir morar com um homem casado. É, não sei se eu aguentaria isso...
Precisava compartilhar essa história, não sei mais o que dizer/fazer, pois essa menina... que era a alegria da casa aos 3 anos é a minha prima. (...)




Bom gente, agora chegou a hora dos selos né? haha
Recebi alguns... não tive tempo de colocar um por um.. Então vou coloca-los todos de uma vez e depois indicar os bloggers que eu sempre corro atrás das postagens! Muito obrigada a quem me enviou... e Parabéns a quem recebeu!









Os Admiráveis:


-Você é tão linda e eu sou tão rude, mas obrigado por invadir meus olhos e me encantar sem nada exigir. (O Futuro da Humanidade - Augusto Cury)







domingo, 12 de dezembro de 2010

Palavras

domingo, 12 de dezembro de 2010

Uma noite e algumas palavras
Dizem que palavras o vento leva e que os gestos são importantes
Não tiro a importação do verbo
Apenas explico com palavras, que elas nos vestem
Se eu digo que te amo, essas palavras terão peso
Se eu digo que não te quero mais, leve em consideração
Palavras podem ser palavras
Ou palavras podem ser, palavras.
Elas podem te alimentar ou te devorar
Podem te dar uma surra que nenhum gesto daria
Me diga: Qual o peso da sua palavra?





Observação: Este post, como vários outros não são pra uma pessoa em especial. Ele remete sentimentos antigos ou atuais.. em forma de poesia. Então não se identifique com o texto antes de ser anunciado(a)! Obrigada.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Moi

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010
Vamos lá, acho que já está na hora de saberem mais de mim né? (ou não uhauh)
Meu nome é Juliana, também conhecida como Jubs, Ju, Jubileia, Joleana e Joelma!
Tenho 21 anos, capricorniana.
Solteira, lésbica assumida.
Não como carne vermelha, não posso comer doces.
Prefiro suco de goiaba à coca-cola.
Sou louca porém muito racional.
Já amei uma vez, fui apaixonada outra vez.
Nunca trai, já fui traída.
Tenho um irmão deficiente auditivo, tenho um sobrinho que ouve e fala por ele haha
Tenho uma mãe que dispensa definições.
Tenho amigos, ou melhor.. tenho muiiiiitos colegas! Amigos mesmo só 3.


Queria explicar pra vocês uns motivos que me fazem postar deste blogger...
Poesia. Sempre tive uma necessidade muito grande de escrever e juntei o útil ao agradavel aqui. Confesso me sentir muito bem pelos elogios recebidos...
O que escrevo aqui.. são coisas por muitas vezes rotineiras em forma de poesia, ontem, postei uma poesia para uma grande amiga minha, gostaria que analisassem bem cada palavra postada.. Pois todos aqui são merecedores de cada suspiro meu.

Meus caros leitores, façam críticas! Por favor!! Me diga sobre o que querem ler..
Espero responder a altura..



Agora, vou colocar um vídeo meu no dia da Parada Gay de Copacabana de 2010 pra discontrair!



Obrigada :)


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010



Povo sem opinião, sem orgulho da nação,
Sem coragem de se opor à essa maldita imposição.
Abra teu ouvido e escute, levante a cabeça e lute,
não se adapte a esse meio, abra tua boca e mude.
Seja quem você quiser, não omita os teus conceitos.
Você faz os teus deveres, mas nem sabe os teus direitos.
Eles querem te entreter, entupir, enumerar te manter extasiado que é pra você não notar
Que a cabeça é tua, pense.
Que a vida é tua, tente.
Não se esconda nunca, enfrente.
É normal ser diferente.
Ainda espero para ver uma terra fértil de paz,
Nunca vou me conformar com essa selva de canibais, essa selva de canibais.
Não quero mais viver com medo, reprimido, em segredo, controlando minhas idéias,
Sei que eu mereço mais do que a selva de canibais.



domingo, 21 de novembro de 2010

Olhos

domingo, 21 de novembro de 2010
E ela naturalmente matou aquele sentimento lindo e doce que tínhamos
Aquele amor se torna algo passado
A desistência e o repudio inexplicável é uma justiça natural
Pois sua mente e seu corpo sabem que a ela não merece
Você vê que não precisa de alguém tão pequeno
Só que o pior..
É que apesar de ser um lixo, você ainda a deseja.

(Minha autoria)




Observação: Este post, como vários outros não são pra uma pessoa em especial. Ele remete sentimentos antigos ou atuais.. em forma de poesia. Então não se identifique com o texto antes de ser anunciado(a)! Obrigada.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Respirar

terça-feira, 16 de novembro de 2010



Eu vejo pessoas vagando sem rumo com bastante pressa de chegar a lugar algum.
Eu vejo passar multidões de cabeças tão cheias de nada que só maquinavam pra fugir do lugar comum.
Eu quis parar pra respirar.
Eu não espero um motivo pra sorrir
Eu sou grata e enxergo todo esse infinito
Eu vejo que o destino é um
Todos ligados
Juntamente separados
Grudados individualmente!

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Seu futuro filho

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Hoje eu faço um post diferente, quero ser mais pessoal. Quero dizer.. que nem todos os posts que eu posto remetem sentimentos de agora, como o anterior...

Muitas vezes eu escrevo, mas não é algo que esteja sentindo no momento, as vezes é algo que eu nunca senti, ou já senti e quase me matou...

Enfim.. quero compartilhar com vocês um pouquinho de lágrimas e tolerancia!
Indico um filme, que sem dúvida alguma deveria ser visto por todos os jovens, mães, pais, avós, padres e etc.

Prayers For Bobby - Orações para Bobby (legendado)


Este filme conta a história real de Mary Griffith (Sigourney Weaver), uma mãe que acredita que a homossexualidade de seu filho é uma doença que deve ser curada a todo custo.
Só que ele desiste e acaba cometendo suicídio, então ela começa a mudar seus pontos de vista por vias que ela jamais poderia se imaginar, tornando-se uma ativista.
É um filme pra ser visto com os pais, sendo você, hetero, gay, lésbica, travesti ou bissexual.

Deixo o trailer e o link abaixo!

Clique Aqui para fazer o Download!












sábado, 6 de novembro de 2010

Independente

sábado, 6 de novembro de 2010
Quer saber? To em paz.
Percebi que reclamar é o não poder voltar atrás.
Faço o que é melhor pra mim
E então desisto de você.

Quem não cultiva acaba por perder.
Quem não se joga nunca vai vencer.
Se entregar no que acreditar
Quem não arrisca não sente prazer.

Esse teu pouco não vai me bastar
Liguei o F e agora tanto faz.

Quer saber? Já passou.
Minha raiva, meu ciúme, meu tesão e meu amor.
Me gastei todo esse tempo que a gente se embolou.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Exercício

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

De fora pra dentro
Seja louca
Emoção X Razão
Faça o sentido contrário
Ande na contra-mão
Fale em voz alta o que a sua razão sente
Discuta com ela 
Denuncie o que a sua emoção mente
Coloque-as para brigar
Permita que elas se manifestem
Uma hora alguém vence
Talvez tenha sorte
Desse alguém ser você 
Não seja passional contigo
Vamos lá.. ouça o que a sua cabeça grita!
Mesmo que nada faça sentido

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Passos

sexta-feira, 29 de outubro de 2010




Todo o movimento que faz você se mexer é bem vindo 
"Há males que vem para o bem" 
Eles cospem na tua cara e mandam você acordar
Você cai, chora, se machuca 
Você levanta, grita e sai correndo
Você para, pensa e segue em frente
Então vamos parar de pensar que tudo de ruim que nos acontecem está querendo nos atrasar
Muitas vezes, é no meio do caos que a maior obra prima é feita
As maiores idéias
É quando você é expremido, esmigalhado e surrado 
Que você realmente coloca sua cabeça pra pensar

Pense.



sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Dia Branco

sexta-feira, 22 de outubro de 2010
"Até deixar um recado na tarde
Uma simples saudade
Que você vai sentir quando sentar-se a mesa
Uma simples certeza
Que agora é você quem espera por mim"



Hoje mais que ontem, eu tenho certezas
Tenho a certeza que agora, esperam por mim
Não digo que não espero mais nada
Espero sim, mais amor, saúde e muito sexo
Quero abortar pessoas que me fazem mal
E não permitir que aconteça!

domingo, 10 de outubro de 2010

Receita

domingo, 10 de outubro de 2010
Dinheiro na mão e a mão faz sinal pro transporte
Mão na garrafa, sorrisos nas bocas
É o corpo querendo se expressar e os passos ficando mais leves
É o encontro com o desconhecido que deixa tudo mais excitante
Risos, palavras, tapas, descontração
Corpo no corpo, mão na nuca e uma leve brisa
É a música querendo sair junto ao suor que insiste em escorrer...
Depois vem o peso disso tudo
E o que acorda com você? Lembranças e um sorriso de uma jubilosa noite.

sábado, 9 de outubro de 2010

Mel

sábado, 9 de outubro de 2010


O homem não nasceu pra amar a mulher, a mulher não nasceu pra amar o homem, o ser humano nasceu pra amar o ser humano.


(Christian Chavéz)









Hoje eu não tenho muita coisa pra dizer. Só que a noite passada foi simplesmente uma das melhores!
Fica aí um pensamento...

domingo, 3 de outubro de 2010

domingo, 3 de outubro de 2010

O que é o que é??
Clara e salgada,
cabe em um olho e pesa uma tonelada,
tem sabor de mar,
pode ser discreta,
inquilina da dor,
morada predileta.,
na calada ela vem,
refém da vingança,
irmã do desespero,
rival da esperança,
pode ser causada por vermes e mundanas
ou pelo espinho da flor,
cruel que vc ama,
amante do drama,
vem pra minha cama,
por querer, sem me perguntar me fez sofrer,
e eu que me julguei forte,
e eu que me senti,
serei um fraco,
quando outras delas vir,
se o barato é louco e o processo é lento,
no momento,
deixa eu caminhar contra o vento,
do que adianta eu ser durão e o coração ser vulnerável,
o vento não, ele é suave, mas é frio e implacável,
 borrou a letra triste do poeta,
 correu no rosto pardo do profeta.
Verme sai da reta,
a lágrima de um homem vai cair,
esse é o seu B.O. pra eternidade,
diz que homem não chora,
ta bom, falou ou vai pra grupo irmão ai
Jesus chorou!

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Zouk

terça-feira, 28 de setembro de 2010






Deita aqui do meu lado quero te dizer
Não pare de me amar
Apago a luz e ouço o som da sua voz 
Pedindo pra continuar
Como um retrato de um sonho
Eu me sinto dentro de você
Entre paredes de um quarto, um quadro
Feito com todo prazer
Deixa eu te amar, não vou te deixar
Quero é tirar os seus sentidos te fazer tremer
Amor a luz de velas fazem sombra na parede
Somos um, somos eu e você
Sonhar ao acordar
E no relógio vejo as horas passando sem limites para se parar
E num segundo mais que tudo
Eu me sinto completo em te ter
Vejo no fundo dos olhos
Eu não vivo longe de você
Fecho os olhos eu te vejo
Vou te levar pra outro lugar
Te quero mais, quero ter você pra mim
Agora seja sempre minha linda quero te amar...


Existe algo mais quente?
ZOUK-SE

domingo, 26 de setembro de 2010

Devaneio

domingo, 26 de setembro de 2010


Não digo mais que tenho o sonho de ter/ser algo
Sonhos não existem mais pra mim
Pra mim, agora 
Só existem objetivos
Porque quando você categoriza algo como sonho
Você já o colocou só na sua imaginação, como algo que "poderia" acontecer... 
Então vamos exorcizar nossos sonhos
Vamos coloca-los pra fora 
Eles não pertencem a nossa cabeça 
Na nossa imaginação
Eles tem que ser fruto, não semente

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Móbile

sexta-feira, 17 de setembro de 2010





A virtude do amor é sua capacidade potencial de ser construído, inventado e modificado.
O amor está em movimento eterno, em velocidade infinita.
O amor é um móbile.
Como fotografá-lo?
Como percebê-lo?
Como se deixar sê-lo?
E como impedir que a imagem sedentária e cansada do amor não nos domine?
Minha resposta? O amor é o desconhecido.
Mesmo depois de uma vida inteira de amores,
O amor será sempre o desconhecido,
A força luminosa que ao mesmo tempo cega e nos dá uma nova visão.
A imagem que eu tenho do amor é a de um ser em mutação.
O amor quer ser interferido, quer ser violado,
Quer ser transformado a cada instante.
A morte do amor é quando, diante do seu labirinto,
Decidimos caminhar pela estrada reta.
Ele nos oferece seus oceanos de mares revoltos e profundos,
E nós preferimos o leito de um rio, com início, meio e fim.
Não, não podemos subestimar o amor e não podemos castrá-lo.
O amor não é orgânico.
Não é meu coração que sente o amor.
É a minha alma que o saboreia.
Não é no meu sangue que ele ferve.
O amor faz sua fogueira dionisíaca no meu espírito.
Sua força se mistura com a minha
E nossas pequenas fagulhas ecoam pelo céu
Como se fossem novas estrelas recém-nascidas.
O amor brilha.
Como uma aurora colorida e misteriosa,
Como um crepúsculo inundado de beleza e despedida,
O amor grita seu silêncio e nos dá sua música.
Nós dançamos sua felicidade em delírio
Porque somos o alimento preferido do amor,
Se estivermos também a devorá-lo.
O amor, eu não conheço.
E é exatamente por isso que o desejo e me jogo do seu abismo,
Me aventurando ao seu encontro.
A vida só existe quando o amor a navega.
Morrer de amor é a substância de que a vida é feita.
Ou melhor, só se vive no amor.
E a língua do amor é a língua que eu falo e escuto.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

quinta-feira, 16 de setembro de 2010
Já fui de esconder o que sentia, e sofri com isso. Hoje não escondo nada do que sinto e penso, e às vezes também sofro com isso, mas ao menos não compactuo mais
com um tipo de silêncio nocivo: o silêncio que tortura o outro, que confunde, o silêncio a fim de manter o poder num relacionamento.
Assisti ao filme Mentiras sinceras com uma pontinha de decepção - os comentários haviam sido ótimos, porém a contenção inglesa do filme me irritou um pouco. Nos
momentos finais, no entanto, uma cena aparentemente simples redimiu minha frustração. Embaixo de um guarda-chuva, numa noite fria e molhada, um homem diz para uma
mulher o que ela sempre precisou ouvir. E eu pensei: como é fácil libertar alguém de seus fantasmas e, libertando-o, abrir uma possibilidade de tê-lo de volta, mais
inteiro.
Falar o que se sente é considerado uma fraqueza. Ao sermos absolutamente sinceros, a vulnerabilidade se instala. Perde-se o mistério que nos veste tão bem, ficamos
nus. E não é esse tipo de nudez que nos atrai.
Se a verdade pode parecer perturbadora para quem fala, é extremamente libertadora para quem ouve. É como se uma mão gigantesca varresse num segundo todas as nossas
dúvidas. Finalmente, se sabe.
Mas sabe-se o quê? O que todos nós, no fundo, queremos saber: se somos amados.
Tão banal, não?
E no entanto essa banalidade é fomentadora das maiores carências, de traumas que nos aleijam, nos paralisam e nos afastam das pessoas que nos são mais caras. Por
que a dificuldade de dizer para alguém o quanto ela é - ou foi
- importante? Dizer não como recurso de sedução, mas como um ato de generosidade, dizer sem esperar nada em troca. Dizer, simplesmente.
A maioria das relações - entre amantes, entre pais e filhos, e mesmo entre amigos - se ampara em mentiras parciais e verdades pela metade. Pode-se passar anos ao
lado de alguém falando coisas inteligentes, citando poemas, esbanjando presença de espírito, sem ter a delicadeza de fazer a aguardada declaração que daria ao outro
uma certeza e, com a certeza, a liberdade. Parece que só conseguimos manter as pessoas ao nosso lado se elas não souberem tudo. Ou, ao menos, se não souberem o
essencial. E assim, através da manipulação, a relação passa a ficar doentia, inquieta, frágil. Em vez de uma vida a dois, passa-se a ter uma sobrevida a dois.
Deixar o outro inseguro é uma maneira de prendê-lo a nós - e este "a nós" inspira um providencial duplo sentido. Mesmo que ele tente se libertar, estará amarrado
aos pontos de interrogação que colecionou. Somos sádicos e avaros ao economizar nossos "eu te perdôo", "eu te compreendo", "eu te aceito como és" e o nosso mais
profundo "eu te amo" - não o "eu te amo" dito às pressas no final de uma ligação telefônica, por força do hábito, e sim o "eu te amo" que significa: "Seja feliz
da maneira que você escolher, meu sentimento permanecerá o mesmo".
Libertar uma pessoa pode levar menos de um minuto. Oprimi-la é trabalho para uma vida. Mais que as mentiras, o silêncio é que é a verdadeira arma letal das relações
humanas.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Moondance

segunda-feira, 13 de setembro de 2010


É a primeira coisa que você sente quando abre os olhos
A ultima coisa que vê quando vai se deitar
É o que te envolve quando está sozinho
É o que te faz fechar os olhos e deixar o vento da praia transpassar seu corpo
É o que rola quando segura uma criança no colo
Tudo o que te faz evaporar
Cair, levantar, chorar, sorrir, cantar, calar e amar
Liberar seus extintos...
Tudo que te faz sorrir e mergulhar nessa deleitosa, gostosa, aprazível, encantadora, contente, alegre, prazerosa, jubilosa, divertida, saborosa e alegre... Energia Positiva!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Sai de baixo

segunda-feira, 6 de setembro de 2010
Olha só
Presta atenção!
Sai de baixo que vai sair com muita pressão 
Hoje e no eterno amanhã 
Vai jorrar Julianas 
Vou transpirar Julianas 
Vou me expulsar de mim como demônios
Arrancar palavras como se fossem piolhos
Vou cuspir palavras de afeto
Vou beliscar e morder até perceberem minha presença
Vou transar, acender um cigarro e dormir na mesma cama

domingo, 5 de setembro de 2010

Vontade

domingo, 5 de setembro de 2010
Falando muito sério agora.
Existe algo mais saboroso que o cheiro? Sim?
O toque! 
Mas o cheiro leva ao toque que leva ao balanço que leva a momentânea alegria e satisfação.
Vamos nos submeter ao tesão SIM.
Mas não vamos ser mais um corpo que pesou sobre o outro.
O coração não fica abaixo do umbigo.

"Vontade: impulso cego, escuro e vigoroso, sem justiça nem sentido."



quinta-feira, 2 de setembro de 2010

quinta-feira, 2 de setembro de 2010
Alguma coisa vai acontecer
Coisas sempre acontecem
Isso mexe comigo sabia?
Aí vocês se perguntam.. "Mas que idiota, isso é obvio"
Mas pensa comigo..
Imagina.. Você não tem o mínimo domínio do que vai acontecer...
Nem uma noçãozinha do tamanho da sensação que você pode sentir daqui a 2 minutos
Obvio que pode não acontecer nada e você continuar na mesma
Mas sua vida pode mudar completamente daqui a 2 minutos.


Pensem nisso!

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Sentadas na janela 
Ouvindo, falando e sorrindo
Acende um cigarro pra relaxar? Obrigada.
Fazendo planos que se esvaem de manhã
Vamos falar da manhã? Obrigada
Chega mais perto de mim? Me abraça? Só abraça.
Não estamos falando de amor
Não estamos falando de sexo
Estamos falando de contato
Estamos falando de química
Estamos falando de cheiro
Estamos falando de momento
Momentos que pra mim, inesquecíveis.

domingo, 29 de agosto de 2010

domingo, 29 de agosto de 2010




O CARA DO OUTRO LADO DA RUA

Ele sabia onde ela morava, a via freqüentemente saindo com o carro pela garagem, já havia até decorado a placa da atriz. O que ele não sabia é que ela, da janela
do seu apartamento, reparava nele todo dia também, quando ele chegava no escritório em frente. Um moreno alto, não muito diferente de qualquer outro moreno alto.
Ele acompanhava a novela das oito que ela fazia, gostava do jeito que ela atuava, havia uma certa dignidade na escolha dos papéis, e imaginava que ela tinha diversos
namorados.
Ela, por sua vez, nada sabia dele, a não ser que era um homem como outro qualquer.
Um dia se cruzaram, ela saindo do prédio, ele chegando ao escritório, e por razão nenhuma se cumprimentaram. Duas vogais: oi.
Passaram semanas e um dia se abanaram, de longe. E longe permaneceram por outros tantos meses. A atriz famosa do prédio em frente. O cara do escritório do outro
lado da rua. Era isso que eram um para o outro.
Não se sabe quem tomou a iniciativa, se foi ela que sorriu de um jeito mais insinuante ou se ele que acordou de manhã com o ímpeto de sair da rotina, apenas se
sabe que um dia pararam na calçada para ir além das duas vogais, e ele teve a audácia de convidá-la para um café, e ela teve o desplante de aceitar.
Durante o café, ele soube que ela havia se separado recentemente, e ela soube que ele
estava tentando arranjar coragem para encerrar uma relação desgastada. Ela tomou uma água mineral sem gás, ele, dois expressos, e ficaram de se falar.

No dia seguinte ele telefonou e comentou que ela havia dado a ele a coragem que faltava. O recado foi entendido, e ela aceitou prontamente um convite para jantar,
e desde então não pararam mais de se tocar e de se conhecer. Ela contou, entre lençóis, que trabalhar na tevê é uma profissão como as outras, que o estrelato é uma
percepção do público e que no fundo ela era uma mulher quase banal. Ele contou, durante uma viagem que fizeram juntos, da relação que tinha com os avós, da importância deles na sua infância e em como seu passado de garoto do interior havia definido seu caráter. Ela contou, enquanto cozinhavam um macarrão, que havia sido uma menina bem gordinha e que implicavam muito com ela na escola. Ele contou, enquanto procurava uma música no rádio, que havia morado em Lisboa e que seu sonho era ser pai. Ela contou, enquanto penteava o cabelo dele, que às vezes chorava mais de felicidade do que de tristeza e que ainda não sabia o que dar a ele de aniversário. Ele contou, num dia em que assistiam a um filme no DVD, que ela ia rir mas era verdade: quando garoto, ele chegou a pensar em ser padre. Ela contou, enquanto retocava o esmalte, que já havia se atrevido a escrever poemas, mas eram horríveis. Ele pediu para ler. Um dia ela mostrou. Eram horríveis mesmo. Ele mostrou os versos dele.

Não é que o safado escrevia bem?
Não chegaram a viver juntos como vivem todos os casais, mas também nunca mais ficaram
separados por uma janela, por uma rua, por um silêncio interrogativo, por uma possibilidade remota. Havia acontecido. Ela para ele, nunca mais uma celebridade. Ele para ela, nunca mais um homem comum.

Meio

Hoje estou meia boca
Não tô afim de nada...
Nem de fazer nada!
Quero uma companhia, mas a disponibilidade se torna contraditoria
Quero um beijo, mesmo que na testa
Um abraço, mesmo que inocente
A felicidade alheia me cutuca demais
Não é aquela cutucada ruim.. que causa inveja..
É aquela cutucada meio que te faz pensar.. "E eu?"
Eu quero algo
Que não permito querer
E me torno a minha maior inimiga
Preciso me expressar
Tenho que gritar!
Não sei porque mais fica muita coisa presa na garganta
Igual a um ralo entupido

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Calma

quarta-feira, 18 de agosto de 2010


Procuro a solidão
Como o ar procura o chão
Como a chuva só desmancha
Pensamento sem razão
Procuro esconderijo
Encontro um novo abrigo
Calma pra contar nos dedos...

terça-feira, 17 de agosto de 2010

90º

terça-feira, 17 de agosto de 2010
As vezes eu me pergunto porque não sou uma pessoa normal
Sempre procuro o indiferente
Se algo está tradicional demais, tenho que pintar

Raspei o cabelo quando tinha 10 anos
Sempre joguei bola (mal) e brincava com os meninos
Quando meus pai se separaram, foi um alívio pra mim
Eu confesso que não gosto (mesmo) do meu irmão
Sou tímida (as vezes) mas nunca fui santa
Nunca gostei de modas
Sempre fui fiel
Não costumo me entregar
Minha complexidade só eu não entendo
Gosto de pessoas
Não de homens! (haha)
Adoro ficar sozinha, com alguém do lado
Gosto de brincar de bater
Amo fazer carinho

Et ainsi de suite!!

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Tchu Tu

segunda-feira, 16 de agosto de 2010
Se enamora
E fica tão difícil
De ir embora
E às vezes escondido
A gente chora
E chora mesmo sem saber porque
Se enamora
A gente de repente
Se enamora
E sente que o amor
Chegou na hora
E agora gosto muito de você
 
Caixa de Pandora © 2008. Design by Pocket